CelebridadesColuna SocialEntretenimentoFilmesMúsicaPais e FilhosBicho Animal
Aline Oliveira

Até que idade é normal a criança falar errado?

Meu filho tem 3 anos e fala enrolado. Meu filho tem 4 anos e não fala direito. Exemplos para analisarmos aqui com pais e mães. Falamos sobre fonoaudiologia infantil

Por Aline Oliveira, publicado em 07/12/2020 e atualizado hoje.

Conversei com especialistas da área da fonoaudiologia infantil e respondo a pergunta para Pais e Filhos que procuram conteúdo relacionado às crianças. Afinal, até qual idade é normal a criança falar errado? O meu filho, por exemplo, tem dificuldade para falar o R. Ele troca o R pelo L como o Cebolinha. Fala Plato e não Prato. Fala Paquinho e não Parquinho. Entre outros erros. Muitas vezes é uma fofura as crianças fazendo essas trocas e falando errado. Mas precisamos de atenção.

A minha primeira experiência foi com a minha filha mais velha. Logo que nasceu, ela foi diagnosticada com a língua presa. Mas como saber se o bebê tem língua presa? Nesses casos há algumas dicas:

O freio, chamado de frênulo, da língua não é visível. O bebê tem dificuldade em levantar a língua até aos dentes de cima. Tem dificuldade para amamentar. O bebê tem dificuldade em mover a língua de lado. O bebê tem dificuldade em colocar a língua para fora dos lábios. E, por fim, a língua fica em forma de nó ou de coração quando a criança a coloca para fora. Podem reparar.

No caso da minha filha, o procedimento cirúrgico foi muito simples. Um cortinho simples. Saiu um pouquinho de sangue. Mas logo ela parou de chorar e já não sentia mais nada. Com o meu filho mais novo não tivemos esse corte, não.

Falando de maneira infantilizada

E aí aos poucos fomos descobrindo que ele não corrigia o R, por exemplo. Mas vale destacar aqui alguns incentivos que os pais podem fazer para que seus filhos falem melhor. Vamos com mais dicas para papais e mamães:

Converse com seu bebê exageradamente. Daquele jeito engraçado mesmo. Quem é o lindinho da mamãe? (imagina essa voz infantilizada e com todo aquele mimo que os bebês merecem) A forma como dizemos as palavras para os nossos filhos são estímulos para a formação do vocabulário. É o chamado Baby Talk.

'A prevalência de fala infantilizada está ligada ao melhor desenvolvimento da linguagem, tanto no presente quanto no futuro. Não basta falar, falar e falar com a criança. O mais importante é trabalhar a interação e o envolvimento com a linguagem', explica a cientista Patricia Kuhl, em entrevista para Revista Crescer.

Mais dicas na comunicação com as crianças

Fale olhando nos olhos da criança. Aquela comunicação olho no olho é importante para que ele leia os seus lábios. E aprenda a desenvolver a linguagem.

Não deixe que os gestos tomem conta da fala. Gesticular é uma coisa. Falar é outra. Se a criança aponta o dedo para pedir o dinossauro, não o pegue. É necessário insistir para que as crianças falem. E soltem as palavras. A alimentação também é um fator importante para a comunicação adequada. Há o fortalecimento da musculatura facial com a mastigação de alimentos diferentes.

Converse com a criança pronunciando as palavras de forma correta. Brinque imitando sons de animais e diferentes sons. Músicas infantis podem ajudar no processo de audição e também de fala das crianças. Vale contar história para dormir e outras historinhas. Coloque nomes nos objetos preferidos da criança. E fale esses nomes para que ela possa ir decorando e repetindo. Se falou algo diferente, fale da forma correta de maneira repetitiva para que ela entenda essa diferença.

Quando as crianças começam a falar? Geralmente as primeiras palavras saem com 1 ano e 1 ano e meio de idade. As frases são mais curtas. Mas esse é o início. Mas, afinal, até que idade é normal a criança falar errado?

Se a criança fala de tudo, fala bem, mas ainda troca alguns fonemas, vamos lá. Até os 3 anos de idade, isso é bem normal. Passando dos 4 anos de idade, e ainda trocando o R pelo L, por exemplo, o ideal é procurar uma orientação médica. A fonoaudiologia infantil pode ser necessária nesses casos.

A Dra. Elisabete Giusti está à frente da Associação Brasileira de Apraxia de Fala na Infância. Em entrevista publicada no site da instituição, falando sobre fonoaudiologia infantil, ela destacou:

'Sabemos que o diagnóstico pode ser feito por volta dos 3 anos de idade, antes disso, já é possível suspeitar e já direcionar medidas de intervenção (...) um desafio é a aceitação, participação e envolvimento dos pais. A família precisa entender o diagnóstico e precisa aprender como participar do tratamento. Igualmente os profissionais da escola que a criança frequenta também têm a responsabilidade de ajudá-las a atingir o melhor potencial. Uma palavra-chave é acreditar', declarou a especialista.

Quem tiver e puder compartilhar abaixo alguma experiência na área de fonoaudiologia infantil, os comentários estão abertos. Acredito que bom senso é tudo nesse caso da fala. Ah, meu filho está falando errado, socorro, o que eu faço? Não. Calma. É importante ir com calma e ter muita paciência, respeitando a individualidade de cada um. Mas, claro, é importante se informar e procurar orientação profissional, afinal o tempo passa rápido demais.